UM POEMA INÉDITO DE EDUARDO AROSO

Do sentido do Amor
 
A Sampaio Bruno,
in memoriam
 
Há um timbre pessoal
Que soa no caminho
E também no semelhante
Só nesse tom ouvido,
Flor oculta do segredo.
O contrário do amor
Não é apenas o medo
Mas aquilo que parece ser.
Entre a cripta e a cruz ao alto
Deus vela e corrige,
Sopro das letras na ordem certa
Neste labiríntico desterro.
Oh, pálida lua do sol escondido,
Frouxa claridade entre a verdade e o erro.
 
Portugal, 24-10-2012
Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s